quinta-feira, 5 de março de 2009

Nana

A Tiz é doida pela Nana, a minha sagrada mãe. A minha mãe é completamente alucinada por ela, tem a casa coberta de fotos da neta, anda com fotos na mala para mostrar às amigas que vai encontrando. Fala nela e com ela a maior parte do dia, a Tiz é a maior alegria da minha mãe, acho que mesmo à frente de mim e do meu irmão ;)
E não é assim apenas por estar longe, se estivesse perto seria exactamente assim e melhor! Seria uma avó que ia buscar a neta à creche e dava-lhe todos os miminhos, faltava ao trabalho para ficar com ela se estivesse doente para revezar comigo, passava por minha casa para ajudar e levar coisinhas boas para nós e miminhos para a neta, ficava com todo o agrado com a neta para irmos ao cinema e até de férias, e sobretudo ensinar-lhe-ia tudo o que sabe de melhor, ser uma pessoa maravilhosa.
A Tiz já deve ter começado a sentir o amor dela ainda dentro da minha barriga, pois tem por ela um amor muito especial que salta à vista. Apesar de estarmos longe por períodos mais alargados do que aquilo que desejávamos, ela quando vê os meus pais, fica absolutamente louca. Dá gritinhos de alegria, beija, abraça, faz palhaçadas... é tão bom senti-la assim verdadeiramente feliz!
Quando estamos longe pergunta por ela/eles várias vezes ao dia, vê fotos, fala ao telemóvel, beija e abraça o telemóvel e reconhece a voz de todos, os olhinhos dela brilham.
A semana passada de manhã iamos a caminho da creche, quando começa a dar uma música especial na rádio, Boa Sorte de Vanessa Mata... a minha mãe tem esta música no leitor do seu telemóvel, entre todas esta é a preferida da Tiz, ela anda sempre com o telemóvel da avó a ouvir esta música... olhei para trás para a Tiz na cadeira e estava ela com a boquinha aberta e o indicador na orelha, que é sinal de prestar atenção! Perguntei-lhe "o que foi filha?" e ela respondeu " nana, nana, nana, ... " e chamou-a umas 10 vezes.
Fiquei com o coração apertado por estar a privá-las/privar-nos de um contacto diário que seria tão marcante na vida da Tiz, como foi para mim ser criada com a minha avó era isso que eu queria para a Tiz...
Mãe linda do meu coração, desculpa-me, sofro muito com a distância tal como tu, mas acredita e tem fé como eu, que um dia as coisas vão ser diferentes e vamos poder estar juntas como merecemos!



Esta é especialmente para ti, uma foto do poncho que fizeste para a Tiz e que ela levou hoje para a escola!

27 comentários:

  1. dizem que ser avó é ser mãe duas vezes e é capaz de ser bem verdade... a minha mãe tb só tem esta neta e tb estamos longe dela (vemo-nos uma vez por mês, mais ou menos). E tb é completamente louca pela neta. (A neta por ela tb: come bem com ela, quer sempre o colo dela, deixa-se vestir, mudar a fralda...). E eu derreto-me com o amor das duas... Sinto-me privilegiada por ter ambas e por ter servido de elo para as duas.
    Beijinho, querida. P.S.Fiquei contente de ter acertado nas tuas verdades!

    ResponderEliminar
  2. Espero que em breve a Tiz possa estar mais vezes com a avó. É tão engraçado...ela estando longe podia "estranhar" ou não ser tão efusiva quando os vê, mas não. Fica eufórica. Só mostra que gosta mesmo deles.
    É uma relação linda, a dos avós e netos.
    Comovi-me com este post porque é um assunto q me diz muito... fui criada com a minha, tinha uma relação muito forte com ela e morro de saudades...
    Felizmente a minha filha está pertíssimo dos avós (paternos e maternos) e é louca por eles (e eles por ela, claro). Está todo o dia com a minha mãe e à noite costuma fazer uma visitinha aos outros avós. Faço questão nisso; é óptimo para eles e para ela.
    Espero sinceramente que a v/ familia volte a estar junta rapidamente.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. é realmente um privilégio puder crescer perto dos avós mas com um amor assim~não ha distancvia nenhuma!Lindo o poncho e muitos parabens pela vovo que a Tiz tem

    ResponderEliminar
  4. Olá querida mamã! Por aqui passa-se algo de muito semelhante...mas com o papá da Leonor, por isso entendo bem o que sentes...é angustiante ver que elas estão privadas de estarem com pessoas que as amam tanto...a tua já demonstra sentir a falta da avó o que te deve custar muito mais não é? aqui a Leonor acho que não tem noção de que o papá está longe...ao menos isso...já o papá morre de saudades dela :-((
    Beijinhos grandes e lindo poncho!! A minha mãe tam´bém já fez 2 ponchinhos para a princesa...as avós são umas babadas :-))

    ResponderEliminar
  5. Olá Mãe da Tiz, voltámos fazendo jus à nossa dita assiduidade. Fiquei encantada com o poncho, tem as cores que qualquer princesa que se preze usa, grita "girly" por todas as costuras. A minha avó não me fazia ponchos, fazia-me sim as torradas mais incríveis deste mundo. Uma das coisas que mais me prendeu ao teu blog foram os textos deste género que já tinhas escrito porque "gritam" (como o poncho da tiz) que tens um coração de ouro, que não existe maldade nenhuma onde tocas (toque de midas versão mãe da Tiz). É assim que me recordo do teu irmão (apesar de nele estas coisas estarem mais "camufladas") portanto a "Nana" fez um extraordinário trabalho =)

    Cumprimentos*

    ResponderEliminar
  6. Minha querida, tenho lágrimas nos olhos, ler este post fez-me recordar tudo o que eu queria que a Madalena estivesse a viver com a minha falecida avó. Como já deves ter lido em posts meus, a minha mãe foi a minha avó. Mas tenho de dar Graças a Deus que a minha piolha tem os avós da parte do pai, e ao ler este post foi como ver a relação que a minha sogra tem com a Madalena. Acho isso de extrema importancia, a convivencia entre avos e netos, simplesmente lindo!
    Bjs grandes
    Susana, Sérgio e Madalena
    ps - o poncho é lindo;)

    ResponderEliminar
  7. Espero que em breve a minha mãe possa sentir isso!!! Já a minha S, quero-a bem longe!!!! :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. LISBOA = PORTUGAL

    Olá Mãe da Tiz!

    Tenho(emos) 3 filhos, 45,43,39 até Novembro. Tão ótimos (nv Acd Ort) que nos trouxeram 3 filhas, nada de noras. E quatro netos, 15, 13 em Maio, 13 em Dezembro, 10 em Outubro e uma neta, 9 em Maio.E 45 anos de casado SEMPRE COM A MESMA MULHER, a Raquel.

    Em miudagem somos especialistas diferidos no tempo... hihihihihi

    Cheguei a este blogue através de outros que costumo visitar e neles postar comentários. Cheguei, vi e… gostei. Está bem feito, está comunicativo, está agradável, está bonito – e está bem escrito. Esta é uma deformação profissional de um jornalista e dizem que escritor a caminho dos 67…, mas que continua bem-disposto, alegre, piadista, gozão, e – vivo. Originário de Direito, Lisboa. Mas nunca exerci.

    Informando, apenas: durante 16 anos trabalhei no Diário de Notícias, que era o mais importante de Portugal, onde cheguei a Chefe da Redacção. E na Bola. E na TSF. E no Portugal Socialista. E no Jornal Novo. E na RTP. E.No ano passado, publiquei – vejam lá para o que me deu a «provecta» idade… - o me(a)u primeiro livro de ficção «Morte na Picada», contos da guerra colonial em Angola (1966/68) em que bem contra vontade, infelizmente participei como oficial miliciano.

    Muito prazer me darás se quiseres visitar o meu blogue e nele deixar comentários. E gostaria de que me enviasses colaboração (25/30 linhas...). Basta um imeile / imilio (criações minhas e preciosas…) e já está. E se o quiseres divulgar a Amiga(o)s, ainda melhor. E, já agora, entrar no rol de Seguidora/es. Muito obrigado

    hantferreira@gmail.com

    Qjs = queijinhos = beijinhos

    ResponderEliminar
  9. A Maria também adora a Avó!
    É a loucura :)
    Adorei o teu post!
    beijos
    teresa

    ResponderEliminar
  10. É um amor único e maior de todos!!

    Beijos nossos

    ResponderEliminar
  11. Que maravilha, a minha mãe diz que ser avó é ser mãe duas vezes.
    e a Tiz está linda com o novo poncho
    bjs

    ResponderEliminar
  12. Minha linda cada palavra,cada lágrima cai no meu rosto!!! Será muito dificil para ambas...mas como dizes tenho a certeza que isso irá mudar! A "NANA" é uma pessoa 5* de quem também gosto muito,esse poncho acho que todos conhecem porque andava a passear para mostrar a todos que era para a sua princesa...LINDO MESMO!!!
    Têm de aproveitar cada momento vosso quando aqui estao ou quando vão aí,é lindo o vosso amor,a vossa cumplicidade! Adoro-vos muito mesmo

    ResponderEliminar
  13. Que lindo poncho! Às vezes a distância faz bem para darmos valor às pessoas! Acho que às vezes me "esqueço" como é bom ter a minha mãe sempre por perto...

    Beijo

    ResponderEliminar
  14. Tão linda...benditas avós...
    Bjocas Grandes

    ResponderEliminar
  15. Só quando a Mathilde nasceu eu percebi realmente o significado do que é ser avó. Não que não soubesse o que sente uma avó por um neto porque eu tenho a sorte de ter crescido junto aos meus avós e ainda tenho 3. Digo isto porque vi e vejo de perto a relação dos meus pais e dos meus sogros com ela. Sim, acredito que se sintam mães de novo. O amor é desse tamanho. Talvez maior porque é um filho de um filho delas. É um amor muito forte e são laços que a enriquecem não só a ela como a eles.
    Faço os possíveis para que ela esteja com eles o maior tempo possível e sempre que posso vou deixá-la um dia inteiro em casa deles. Vivo a 5 minutos de casa dos meus pais e a 30 da casa dos meus sogros e isso é uma benção!
    Ela retribui da mesma forma, com o mesmo amor e alegria!
    Escusado será dizer que das poucas palavras que diz, uma delas é "abó" ! ; )
    beijinhos grandes e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  16. ola mama!

    Este é um post que transmite muito amor...
    E pode-se dizer que quando a Nuria nasceu dei muito mais valor a muitas pessoas da minha familia...principalmente a minha mae...ate porque sou muito jovem e creio que nunca dei o devido valor...enfim...

    Sei que agora estamos mais ligadas que nunca e ela adora a Nuria...Esta sempre a perguntar por ela...e chamalhe amor pequenino...Fico muito babada...

    A tiz esta crescida...

    Bjinho bom para toda a familia..
    Marta e Nuria

    ResponderEliminar
  17. Olá querida mamã, imagino as saudades, nunca é fácil gerir a distância, muito menos relativamente aos nossos pais...
    Adorei o poncho, muito fashion :-)
    Beijinhos grandes,Sofia,Pedro e Joana

    ResponderEliminar
  18. Olá!
    Eu nunca seria capaz de viver longe dos meus pais! Sou alfacinha mas costumo dizer que já me naturalizei madeirense pelo casamento e pela maternidade! :o)
    A minha mãe tem essa relação especial com os meus filhos, é algo lindo de se ver!
    Felizmente, não há nada que abale essas relações, nem o tempo nem a distância nem ninguém!
    Vocês ainda hão-de estar todos juntos! :o)
    Bjs **

    ResponderEliminar
  19. Imagino a tua angústia e realmente não deve ser fácil para nenhuma das 3!
    Por cá estamos perto das famílias mas a do Papá J. pouco nos liga e isso deixa-nos (mais ao J.!) com uma grande tristeza.
    Parabéns a essa avó exemplo e com umas mãos de fada porque o poncho está lindo!
    Beijos
    Tété & Xavier

    ResponderEliminar
  20. nós também temos os avós longe, tanto os maternos como os paternos e não deixa de ser triste que eles vejam a neta tão poucas vezes, quando lhe poderiam dar tanto... mas a vida é mesmo assim e o facto de estarmos longe não significa que nos esqueçamos uns dos outros, antes pelo contrário, mas não deixa de ser difícil ver momentos como o que relatas e nada poder fazer para colmatar a distância.
    O que interessa é que a Tiz é muito amada, pela mãe, pelo pai, pelos avós e isso, uma criança sente e não esqueçe!
    beijinhos*

    ResponderEliminar
  21. Imagino o que a distância te custa....VOLTA!!!!
    Ela está linda!

    ResponderEliminar
  22. A vida não é como idializamos,tudo que eu queria realmente era poder estar mais próxima de vós,mas tudo na vida tem um preço,uma mãe saber que a sua filha e agora a neta está rodeada de pessoas que a tratam tão bem não tem explicação.E sempre pensei que a tua felicidade estava á frente de qualquer sentimento,ser mãe é isto os filhos e agora a minha neta estão sempre primeiro que eu...sou assim não sei ser de outra maneira.Amo-vos acima de qualquer coisa,vim a este mundo para vos amar A MINHA NÁDIA A MINHA BEATRIZ E O MEU ANDRÉ.

    ResponderEliminar
  23. Emocionei-me com o post e muito com o comentário da vovó, fiquei com os olhos cheios de lágrimas... A da música no celular foi demais.

    A Beatriz também é uma menina de sorte, é muito, muito amada pelos avós, mas ela tem uma ligação assim com a minha irmã. É um amor de outras vidas com certeza, nós moramos em cidades diferentes, mas a Beatriz fala nela quase que diariamente e quando a minha irmã vem ou nós vamos para lá, é um grude só. Minha irmã qdo vem diz que quando o ônibus chega perto daqui de casa ela sente um frio na barriga querendo que chegue logo, desce do ônibus e vem correndo pela rua. :)

    O coração fica cheio, né?

    Bjos Enormes.

    * E a Tiz está Linda, linda, linda de poncho, muito estilosa!

    ResponderEliminar
  24. Ai Nádia, conheci a tua mãe e agora ler a tua mãe deixa-me de lagrima no olho! Beijo muito grande

    ResponderEliminar
  25. Ai Nádia, conheci a tua mãe e agora ler a tua mãe deixa-me de lagrima no olho! Beijo muito grande

    ResponderEliminar